top of page

O lado sujo do carro elétrico está nas minas de lítio, mas isto vai mudar.

Atualizado: 10 de abr.









Briga por água


O alto consumo de água, recurso cada vez mais escasso no mundo, é o ponto mais crítico das preocupações. São necessários 2,1 milhões de litros d’água para refinar cada tonelada de lítio – quantidade suficiente para produzir as baterias para cerca de oitenta carros elétricos como o Tesla Model S com seu módulo de baterias que tem 12 quilos de lítio.


Esta característica da mineração de lítio torna-se ainda mais preocupante porque a maior parte das reservas conhecidas do metal estão localizadas em áreas desérticas, a mineração contamina e desvia a água de onde ela já é rara – e essencial para a sobrevivência da fauna, flora e das comunidades locais.
Atualmente cerca de um quarto do fornecimento mundial do minério vem de salinas no Atacama, ao norte do Chile, onde a extração e o refino por evaporação, em enormes piscinas sob o Sol, consome 21 milhões de litros d’água por dia. “A extração de lítio já causou conflitos por água com diferentes comunidades como em Toconao, no norte do Chile”, aponta o relatório da FoEI.


Mais da metade das reservas do metal identificadas no mundo estão localizadas no chamado “triângulo do lítio”, onde se encontram as fronteiras de três países: Chile, Bolívia e Argentina. Depois da América do Sul o maior produtor mundial são os Estados Unidos, seguidos de perto por China e Austrália.
Jazidas menores foram encontradas no Zimbábue, na África, no Brasil e também na Europa, onde a única mina ativa está em Portugal, mas produz essencialmente para a indústria de equipamentos eletrônicos.

Apetite aumentado por lítio



O lítio já é há décadas muito usado no mundo para produção de baterias de equipamentos eletrônicos como laptops e celulares, mas a aplicação em carros elétricos induz ao aumento da demanda sem paralelo na história, o que pode provocar consequências ambientais ainda imprevisíveis, já que nunca o minério foi tão explorado – e será ainda mais.
Enquanto são necessários de 2 a 3 gramas de lítio para produzir a bateria de um iPhone 11, o módulo de energia de um Tesla Model S precisa de 12 quilos do metal, mas dependendo do veículo essa quantidade pode chegar a 30 quilos.
Algumas projeções apontam que mais de 60% dos veículos vendidos no mundo a partir de 2030 serão eletrificados e vão consumir 90% do lítio produzido no mundo. Até o fim desta década o consumo mundial de lítio para baterias de carros eletrificados deverá crescer de atuais 350 mil para 3 milhões de toneladas por ano, segundo calcula a Rio Tinto, segunda maior mineradora do mundo.
O problema é que os projetos de extração conhecidos até o momento dão conta de apenas 1 milhão de toneladas/ano, um terço da demanda projetada. Com isso as indicações são de que a corrida pelo lítio deverá continuar crescendo em proporção similar à cotação do minério, que segue subindo, colocando sérias dúvidas sobre a tão esperada redução dos preços dos carros elétricos.
A Agência Internacional de Energia, ligada à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, OCDE, estima que a demanda global de lítio deverá crescer 40 vezes nos próximos 20 anos, colocando a classificação do minério na mesma categoria do petróleo como elemento de segurança energética mundial.


Riscos

Especialistas apontam que esta é uma situação, no mínimo, muito perigosa, dado que não se conhece ainda todos os efeitos que tamanha expansão da mineração e uso do lítio trará a este já mal tratado planeta. Já se defende que alternativas mais baratas e menos tóxicas deveriam ser exploradas, incluindo pesquisas com baterias de ferro, pilhas de hidrogênio ou mesmo os biocombustíveis.
Apesar de ser um recurso finito, assim como o petróleo e outros minérios, ainda não se vislumbra no horizonte escassez de lítio, mas a maior parte das reservas conhecidas são de difícil acesso, o que pode tornar inviável, em menos de uma década, a eletromobilidade baseada na tecnologia das baterias de íons de lítio.
A consultoria Fitch Solutions alerta que o fornecimento mundial de lítio tem muitas vulnerabilidades, incluindo concentração geográfica em poucas regiões com presença limitada de mineradoras de grande porte. Assim como acontece com o petróleo, países donos das maiores reservas podem adotar políticas nacionalistas e ambientais que ameaçam a expansão da produção.
Na Europa, por exemplo, projetos de exploração de lítio em Portugal, na Alemanha e na Sérvia estão encontrando forte oposição da população. Ou seja, o continente quer adotar carros elétricos para limpar suas emissões de combustíveis fósseis, mas não quer a sujeira das minas de lítio, preferindo varrer os danos ambientais da eletrificação para debaixo do tapete de nações subdesenvolvidas.

Soluções a caminho


As montadoras, definitivamente, não vão querer carregar essa sujeira nas costas. Justamente por este motivos, já existem projetos bem estruturados para a mineração sustentável em diversos países.
A BMW, por exemplo, aderiu ao projeto “Responsible Lithium Partnership”, que tem como objetivo alcançar um entendimento compartilhado da gestão responsável dos recursos naturais juntamente com os grupos de interesse locais e também desenvolver uma visão para o futuro do Salar de Atacama do Chile. Este projeto teve início em 2021 e já conta com o apoio da BASF, Mercedes-Benz Group AG, Daimler Truck AG, Fairphone e o Grupo Volkswagen. 
A Sigma Lithium, mineradora sediada no Canadá, pretende quebrar paradigmas no setor com um método ESG para extração de minérios. A empresa foi criada para com a missão de promover a eletrificação dos transportes e tem até uma operação em Minas Gerais, utilizando métodos sustentáveis de mineração. 
A GM também está trabalhando nesse tema. O grupo norte-americano está investindo em um projeto de mineração lançado pela CTR chamado Hell's Kitchen Lithium Power. Nele, as duas empresas informam que o "lítio será produzido por meio de um processo de extração direta em circuito fechado, o que se traduz em menor impacto físico, nenhuma produção de resíduos e menor emissão de gás carbônico em relação aos processos convencionais, como poço de extração ou lagoas de evaporação". 
O processo geotérmico utilizado, na verdade, envolve a extração de uma solução salina superaquecida e rica em lítio, da qual o metal é extraído. Após esse primeiro procedimento, a solução salina é reinjetada no solo, tornando o processo mais sustentável. Em julho, foi a vez da Stellantis anunciar acordo ao mesmo projeto.
10 visualizações0 comentário

コメント

5つ星のうち0と評価されています。
まだ評価がありません

評価を追加
bottom of page