top of page

Festa no palácio verde

Atualizado: 31 de out. de 2023

Neste lançamento abordamos uma matéria mais extensa que mostra um pouco sobre as peculiaridades desta cidade secular. Nada mais apropriado do que inciar com o título da poesia de Narbal Fontes e um trecho dela.


Texto: Marcio N Amaral

Fotos: Luciano Escultor e outras imagens clipadas

Por do sol Serra do Mar
foto: Luciano Escultor

Alguém soprou a lâmpada divina da estrela matutina

E a noite veio se esconder debaixo dos quebra-luzes dos arbustos sonolentos.

O galo da campina, corneteiro da banda do penacho,

Espalha aos quatro ventos a notícia da festa,

No palácio encantado da floresta.”


Narbal de Marsillac Fontes, o médico-poeta nascido na cidade de Tietê (1889-1961) deveria estar inspirado em nossas paragens da Serra do Mar quando escreveu este conto-poesia. Cunha é literalmente um pedaço de chão brasileiro onde as raças, os costumes, as crenças e as artes estão em sintonia com o universo. Tão próximo a São Paulo, capital, e tão incrivelmente incrustada no mais caipira dos sertões, condição que a torna sui-generis.
Cunha, São Paulo
foto: Luciano Escultor

Igreja Nossa Senhora da Conceição, em Cunha, SP
foto: Luciano Escultor
Assim abre-se a cortina do palco para a Estância Climática de Cunha. Começa o espetáculo. Fundada em 1724, pelos portugueses que vieram de além-mar, entre travessias e chegadas sofridas, tiveram o alento neste mundo novo descortinado pela Mata Atlântica, onde puderam saborear pela primeira vez o pinhão, deliciando-se com a nova iguaria. Cunha vem sendo privilegiada com as belezas emolduradas pelas Serra do Mar, Serra da Quebra-cangalha e Serra da Bocaina. Podemos afirmar que é uma cidade flutuando em um mar de montanhas, com a vantagem de estar a um pulinho de Paraty e outras belas cidades costeiras do litoral norte do estado. Poucas cidades têm essa distinta vantagem que Cunha possui; de oferecer ao visitante aquela inesquecível hospedagem dos sonhos nas dezenas de pousadas maravilhosas espalhadas pelo município, tendo o visitante a opção de poder descer até as lindas praias pela bela estrada sob a densa mata, aproveitar o dia de sol e poder retornar à montanha. Que privilégio estar pertinho de uma lareira, degustando um bom vinho, deliciando com a rica gastronomia cada vez mais cosmopolita. Ou apenas presenciar o véu de estrelas encobrindo lentamente a floresta, dar um bom dia ao sol que nasce preguiçoso em meio aos degradês azuis, laranjas e amarelo-ouro. O tique-taque do relógio é bem mais lento. Entre os muitos aromas inebriantes exalados pelas flores, há um odor que o visitante custa a identificar, que promove uma mistura mágica – a brisa marítima a pouco mais de 17 km em linha reta – o clima oceânico.
Restaurante Il Pumo e Cervejaria Reale em Cunha, SP
foto: Facebook Restaurante Il Pumo
Opa! Estamos no Mediterrâneo? Não, estamos em Cunha, mas foi trazido pedacinhos de lá para cá, onde são cultivadas as espécies lavanda dentata nas plantações existentes, tingindo de azul a paleta das cores da natureza, onde o visitante encontra excelentes estruturas para recebê-lo e apreciar as plantações que exalam o indescritível perfume, contracenadas com entardecer ensaiando dança multicores no céu. Já provou um sorvete de lavanda? Ah! Aqui existe e é bem gostoso! Esta vantagem aliada à possibilidade de adquirir essências e outros produtos cuidadosamente feitos para o deleite do visitante. As plantações de lavanda, assim como outros lugares da iniciativa privada, que com criatividade excepcional os tornaram referência de visitação, ajudam posicionar o município na rota turística brasileira. Nos canteiros destas plantações também cultivam experimentos de outras espécies, onde as abelhas estão se apresentam como as mais importantes obreiras, atraindo para nossa cidade turistas do Brasil inteiro, que se maravilham com a produção local das fragrâncias e sabores, dos produtos cosméticos, lindos artesanatos, hospedagem em chalés dignos de uma cinematografia, dando a portunidade de o observador poder contemplar o balé da natureza harmoniosamente consonante com as atividades humanas.
Lavandário, Cunha, SP
foto: Página web O Lavandário
A Ásia também deixou aqui as suas peculiaridades. Temos o cultivo do Shitake. O visitante pode conhecer as estufas e saber como se desenvolve e manuseia a espécie, que depois são transformadas em iguarias culinárias pela diversificada cozinha cada vez mais sofisticada nos restaurantes do município. Lugar de excepcional beleza onde souberam unir o inusitado com a simplicidade. Temos a comida japonesa e a criatividade do chefe em misturar com a brasileira, resultando em salmões deliciosos, trutas de salivar os cantos da boca, em ambientes que nos deixam relaxados.
A Áustria se faz presente com o delicioso Strudel, onde os olhos se tornam maior do que o estômago, sem resistência às dietas, com as quiches folhadas, cafés maravilhosos, chás e sucos de fazer com que caiamos na tentação da gula. É uma festa de sabores em um lugar cuidadosamente decorado para satisfazer o mais exigente dos paladares.
Itália, Espanha, França, Grécia! Ora! Temos olivais, azeitonas, azeites, uvas, vinícolas, onde se une a boa hospedagem, a paz e o sossego, com o prazer dos sabores. É realmente gente muito criativa, não apenas na arte do barro, mas na arte da química mágica da gastronomia, que se diferencia e emana seus cheiros e sabores para o Brasil.
Cavaleiros de São Benedito, Cunha, SP
foto: Luciano Escultor
E a roça, onde fica? Ah! A roça sempre esteve aqui com sua culinária típica, podendo ser degustadas comidas maravilhosas oriundas das raízes brasileiras, com todas as suas peculiaridades, que traz a culinária tropeira, mineira e a paulista da Estrada Real para os estabelecimentos de nossa cidade e zona rural. Toda essa riqueza amparada pelos nossos rurais, que produzem com qualidade excepcional para fazer jus às exigências dos chefes de cozinha que vão instigando nossos paladares com excelentes receitas.


E o show gastronômico continua e se orquestra com restaurantes construídos à sombra das matas, aos sons das cachoeiras, do esvoaçar das borboletas, ladeados com os cantos dos pássaros e com os animais das florestas, respeitados pelos habitantes, também pelos chegantes. É o exemplo de casa que se estende aos visitantes e contagia. São dezenas de restaurantes que oferecem culinária diversificada, desde japonesa, alemã, italiana, austríaca, brasileira no tempero de uma criatividade sem igual. Cardápios elaborados por excelentes chefes de cozinha, isso tudo refletindo na oportunidade oferecida ao pequeno produtor rural que se torna um fornecedor recorrente, fortalecendo a nova cadeia econômica importante para o município.

foto: Dever de Casa
E quem pensa que isso vem só, se engana! Vem com chorinhos ao vivo, shows de viola, jazz clássico, MPB e cifras oriundas do folclore. Podemos voltar ao passado com a Congada Moçambique de São Benedito, muito viva nas raízes e no presente da cidade. Aí a cidade se enche de bandeiras coloridas, mantos nas janelas, toalhas, dando ao observador a impressão de ter viajado no tempo.
Pedra da Macela, Cunha, SP
foto: Projeto São Paulo City - Pedra da Macela.
O maior e mais importante parque de preservação da Mata Atlântica tem um núcleo em Cunha, que é uma das entradas principais. O visitante encontra estrutura excepcional, trilhas distintas para diversos públicos, cuidadosamente configuradas para cada faixa etária. É a parte intacta da Mata Atlântica com 140 km2, onde é possível conhecer o Brasil do jeitinho que os descobridores o encontraram em 1500.
L´Étape, Cunha SP
foto: Veja SP
Voilá! A França esportiva está aqui! Sim, acontece o L´Étape Cunha, evento do calendário oficial do Estado de São Paulo, traz para a cidade este reconhecido acontecimento ciclístico, atraindo para nossa cidade esportistas do Brasil e do mundo, que superlotam a pousadas, movimentam o comércio e os restaurantes. Um espetáculo internacional! Quem não quer assistir este espetáculo de esporte, silencioso, maravilhoso, sustentável? Um privilégio ímpar. São imãs turísticos alicerçados e incentivados pela administração pública da cidade, voltada para o que ela realmente é – anfitriã de todas as raças, crenças, artes e esportes.
Voo de parapente em Cunha, SP
foto: selfie de José Carlos Tainha em voo livre de parapente na Pedra da Macela, com a baía de Paraty ao fundo.
Cunha é para os normais e para os loucos também. Loucos por aventura, adrenalina alta, com cenários maravilhosos para prática de parapente, asa delta, praticas off-road, bicicross rapel, escalada, enfim, o turista que escolhe cunha como destino tem um leque para escolher o que quer fazer, de A até Z.
Cunha é para quem adora estar na montanha à noite, no clima serrano, curtindo a lareira com uma boa companhia, nas dezenas de pousadas que oferecem serviços espetaculares. Paisagens estonteantes que emocionam.
Fuscunha
foto: Luciano Escultor
Aqui tem de tudo! Tem Fuscunha, encontro anual nacional dos proprietários deste icônico e simpático carrinho, data na qual a cidade fervilha com todos os modelos, dando um ar nostálgico pelas ruas. Não é só nas ocasiões de festa; Cunha tem o título de possuir a maior concentração de fuscas do país e ainda são largamente usados, principalmente na zona rural. Cidade também preferida dos amantes do motociclismo e das aventuras 4x4 Off-Road Club, em grandes eventos que encantam a todos pela organização, pela disciplina e pela prática deste tipo de esporte onde a tônica principal é o respeito pela natureza. Tem rapel nas dezenas de locais para esportes radicais, nas cachoeiras, tem o mirante da Pedra da Macela, tem salto de para-glide, escaladas, enfim, o que Cunha não tem? É pequenina em um imenso município, o décimo primeiro em tamanho no Estado de São Paulo com mais de dois mil quilômetros de estradas vicinais.
Cunha, SP

Sabe aquela arte de não fazer nada? Sim, ficar à toa, revitalizar os pensamentos e a alma, sentar-se, meditar e contemplar. Cunha é lugar certo! Aqui tem locais para você se recolher e ficar em paz com seu interior. Um tempo com você mesmo. E se quer aprender o caipirês, ou o doutorês, tem também. Tem a prosa na praça, passeio na roça e conversar com o camponês, tem encontros intelectuais, musicais, tem até um Quintal de Livros com muita arte, tem museu, tem banco na praça. Aqui você pode passear tranquilo pelas ruas. A cidade é sua. Você se sente seguro e não sabe por que, mas, é por conta da redoma protetora que abraça o visitante e o faz sse entir assim.
Das raízes culturais acontecem as festas religiosas. O palco se descortina em suas igrejas centenárias, fervilhadas de fiéis de todas as bandas, cultuando a miscigenação das crenças advindas de nossos ancestrais. O visitante volta ao passado e se encanta com a fé do povo cunhense. A igrejas de Cunha são umas das poucas ocorrências do barroco Joanino no estado de São Paulo, oferecendo o visitante a oportunidade de presenciar e constatar a história da arte brasileira desenvolvida entre o século XVIII e o século XX. Estes prédios históricos religiosos estão em constante restauração, diga-se de passagem, com recursos da própria paróquia que usa da criatividade de suas festas e comemorações para arrecadar fundos que garantem a plenitude das reformas e conservações.

Escultura Dona Dita, Luciano Escultor
foto e obra: Luciano Escultor

Cunha é uma pérola, daquelas raras, que estão guardadas no seio da natureza, com suas ruelas estreitas, ordeira, excepcionalmente limpa. lojinhas de rua, docerias, artesanatos, restaurantes, acomodações bem práticas, ou sofisticada. Gente simples que gosta de receber os visitantes, enfim, tudo que o ser humano precisa para ser feliz. Cidade festeira, sim! Tem Festival do Cordeiro Serrano, festival do pinhão com Viola e Prosa, Verão na Montanha, Festival do Queijo, o tradicioal Festival de Inverno de Cunha que reúne artistas de diversas vertentes, Rallye, Cavalaria de São Benedito, Congada Moçambique, tem cavalos mansinhos para o visitante montar, tem festival da cerâmica… opa! Cerâmica é o principal assunto que sacramenta Cunha como a forte candidata ao título de Cidade Criativa. Cidade dos músicos, da Dona Dita paneleira, dos poetas, dos ceramistas, historiadores, escritores, músicos, violeiros, cidade da inspiração onde das mãos dos escultores as imagens saltam e parecem querer dizer alguma coisa. Mergulhem neste universo transformador, onde duas culturas se encontram para desenvolver cerâmicas do mais alto conceito, apreciadas pelos principais arquitetos e decoradores do país e do mundo.
Cunha é o lugar onde o sofisticado e o rústico estão em eterna lua-de-mel.

Centro histórico de Cunha, SP
foto: Luciano Escultor












83 visualizações1 comentário

1 Comment

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Rated 5 out of 5 stars.

Os versos de Narbal Fontes abrem uma trilha para um caminho mágico. Depois dos versos, Márcio Amaral "desenha" lindas imagens e histórias sobre Cunha, conquistando o coração e semeando o desejo no leitor de vivenciar tim-tim por tim-tim o que foi descrito pelo autor.

Like
bottom of page